Prefeito anuncia segunda etapa do programa de meliponicultura

Junior da Femac afirma que os principais objetivos da iniciativa são a preservação das abelhas nativas, educação ambiental e geração de renda. (Foto: Josias Profeta)

{"autoplay":"false","autoplay_speed":"3000","speed":"300","arrows":"true","dots":"true"}

Visando aliar sustentabilidade e geração de renda, Apucarana dará continuidade ao Programa de Meliponicultura (Promelipo). A segunda etapa da iniciativa será lançada em setembro, através de uma parceria entre as secretarias municipais de Agricultura, da Mulher e Assuntos da Família e da Associação de Meliponicultura de Apucarana (Amelipo). Os principais objetivos são a preservação das abelhas nativas (sem ferrão), educação ambiental e geração de renda.

O anúncio foi feito pelo prefeito de Apucarana, Junior da Femac, após reunião com José Luiz Porto, secretário de Agricultura, e Denise Canesin Machado, secretária da Mulher e Assuntos da Família. Também esteve presente no encontro o diretor de Agricultura, Gerson Canuto.

Junior da Femac afirma que o Município desenvolve ações diferenciadas na área do agronegócio, com a atração de grandes empresas e iniciativas como o Programa Terra Forte que fomenta a fruticultura e a fertilização do solo. “O incentivo do cultivo das abelhas sem ferrão é mais uma ação diferenciada, que gera renda e sustentabilidade no campo”, frisa Junior da Femac.

O prefeito lembra que a primeira fase do programa foi lançada em 2015, a partir de quando foram viabilizados cursos de capacitação de produtores e Apucarana sediou o 10º Seminário Paranaense de Meliponicultura. “Nesta etapa levamos conhecimento sobre a criação e divisão das colmeias e a produção de mel para comercialização”, afirma Junior da Femac, informando que neste período foram geradas, através do processo de divisão das colônias, cerca de 2 mil novas colmeias no Município.

Junior da Femac observa que as abelhas nativas não geram riscos à saúde das pessoas e que a atividade pode ser desenvolvida por todos os membros da família, inclusive crianças. “Os principais objetivos da iniciativa são a preservação das abelhas nativas, educação ambiental e geração de renda”, reforça.

As abelhas sem ferrão, conforme o prefeito, podem ser cultivadas no campo e também na área urbana. “Por isso, estamos buscando nesta segunda etapa envolver a rede de mulheres solidárias que tem mais de novecentas integrantes. A intenção é fazer a multiplicação das colmeias, gerando renda e fomentando nas famílias do campo e da cidade o cuidado com as abelhas”, salienta.

De acordo com o secretário de Agricultura existem cerca de 350 espécies de abelhas sem ferrão catalogadas no Brasil. “Em Apucarana, são encontradas principalmente a jataí, tubuna, mandaçaia e mandaguari”, cita, informando que nos próximos meses serão de preparação e que a segunda etapa do programa será lançada em setembro. “O interessados podem obter mais informações pelo telefone 3423-5020 ou nos procurar diretamente na Secretaria, localizada ao lado da Prefeitura,  na Rua Lapa , 127”, solicita.

 

Compartilhe