Aserfa realizou 370 funerais sem custo

Serviço municipalizado não visa lucro e vem assegurando auxílio funeral para carentes (Foto: Edson Denobi/arquivo)

{"autoplay":"false","autoplay_speed":"3000","speed":"300","arrows":"true","dots":"true"}

Levantamento concluído nesta semana pela direção da Autarquia de Serviços Funerários de Apucarana indica que, de 2013 a 2018, a Aserfa atendeu trezentos e setenta famílias em situação de vulnerabilidade social. Todas foram beneficiadas com a gratuidade dos serviços funerários, conforme prevê a Lei Municipal Nº 155/13. “Uma das mais importantes normas na atuação da Aserfa é justamente atender aos que mais precisam de ajuda, nestas horas difíceis para as famílias”, assinala o superintendente da autarquia, Marcos Bueno.

Ele lembra que uma das primeiras medidas adotadas pelo prefeito Beto Preto, quando assumiu o seu primeiro mandato, foi exigir o cumprimento rigoroso da Lei 01/89, que municipalizou os serviços funerários em Apucarana. “Na época, constatou-se que a lei estava sendo burlada por empresas particulares que, sem a fiscalização do município, vieram explorar os serviços funerários em Apucarana”, recorda Bueno.

Conforme argumenta o superintendente da Aserfa, a municipalização do serviço protege o cidadão, evitando que seja explorado por empresas privadas. “Os preços praticados pela autarquia é um dos mais baratos do Brasil, pois a instituição não visa lucro”, frisa Marcos Bueno. Ele acrescenta ainda que em Apucarana não é cobrada taxa de utilização da capela mortuária central e das outras de bairros e distritos. “Da mesma forma, em Apucarana não existe cobrança de taxa de manutenção nos cemitérios, a exemplo do que ocorre em outras cidades, com a emissão de boletos de anuidade”, informa.

CREMATÓRIO – Os serviços funerários foram pauta de discussão nesta semana na Câmara de Apucarana, por conta de requerimento apresentado pelo vereador Luciano Molina (Rede). Ele reivindica a criação do serviço de crematório em Apucarana, nos moldes do que já existe em Londrina e Maringá. Molina argumenta que muitas famílias fazem opção pela cremação de entes queridos e sempre precisam recorrer a empresas de fora.

Ao entrar na discussão, o vereador Rodolfo Mota (PSD) anunciou que votaria a favor da instalação de um crematório em Apucarana. Porém, aproveitou para tecer críticas aos serviços realizados pela Aserfa. Para Mota, existem falhas e é preciso melhorar os serviços e a estrutura dos cemitérios municipais. O vereador chegou a se manifestar favorável à privatização dos serviços funerários em Apucarana.

O secretário de governo Laércio de Morais, em nome do prefeito Beto Preto, fez questão de contestar a opinião de Rodolfo Mota, manifestada no plenário da Câmara. “É preciso reconhecer que a municipalização dos serviços funerários foi uma grande conquista para os apucaranenses, na gestão do ex-prefeito José Domingos Scarpelini. Isso acabou com a briga de funerárias por cadáveres no Instituto Médico Legal (IML), nas rodovias da região e nos hospitais”, lembrou Morais.

O secretário acrescentou ainda que, anteriormente, os custos pelos funerais eram exageradamente caros e até inviáveis para os mais pobres em Apucarana. “Com a Aserfa os custos tiveram uma redução significativa, e mantendo-se ainda um bom número de enterros sociais”, enfatiza Morais.

O secretário de governo lembra ainda que em 2012, na gestão do ex-prefeito João Carlos de Oliveira, a Aserfa – sem auxílio funeral – teve um faturamento de R$ 300 mil. “Já no primeiro ano da gestão do prefeito Beto Preto, a autarquia passou a ofertar funerais sem custos para os pobres e, mesmo assim, faturou R$ 1 milhão em 2013”, revela, acrescentando que “até 2012, desrespeitando a lei municipal, empresas privadas continuavam atuando em Apucarana”.

Novos veículos e capelas

Nos últimos seis anos a Aserfa investiu na aquisição de uma viatura funerária, modelo Chevrolet S10; e outra viatura, modelo pick-up Montana.

Os preparadores de cadáveres receberam curso de capacitação de tanatopraxia para preparo de corpos. Essa técnica se aplica a fim de prolongar a conservação dos corpos, para serem velados.

Também foram adquiridos equipamentos para tanatopraxia.

O estacionamento da Funerária foi asfaltado, e a autarquia também investiu na compra de móveis, eletrodomésticos e outros utensílios para a sede e para as capelas.

Cumprindo determinação do Prefeito Beto Preto, foi implantado o sistema informatizado de arrecadação na ASERFA. Todos os serviços são feitos por meio de Documento de Arrecadação Municipal (DAM), para pagamento via banco.

A Capela central vem recebendo diversas melhorias, entre as quais a instalação de ar condicionado nas salas de velórios, Wi-fi para uso de internet, troca de mobílias e serviço de limpeza e higienização terceirizada.

Na atual gestão foram construídas as capelas mortuárias no Jardim Ponta Grossa e no Distrito da Vila Reis. Recentemente,

Foi autorizada a abertura de Licitação para reforma e ampliação da Capela Mortuária Central, com previsão de investimentos da ordem de R$800 mil, com reformas e ampliações.

Compartilhe