Centro de Oficinas da Mulher entrega certificados a 89 alunas

Desde 2013, já são 2470 mulheres a obter qualificação profissional gratuita por meio de cursos de qualidade que preparam para atuação no mercado de trabalho (Fotos: Edson Denobi)

{"autoplay":"false","autoplay_speed":"3000","speed":"300","arrows":"true","dots":"true"}

O Centro de Oficinas da Mulher, da secretaria da Mulher e Assuntos da Família, entregou o certificado de conclusão a mais 89 alunas nesta quarta-feira (10/07), em cerimônia na Praça CEU. Desde 2013, o Centro de Oficinas já qualificou para o mercado de trabalho 2470 mulheres. Estiveram presentes à cerimônia o prefeito Júnior da Femac, a secretária da Mulher, Denise Canesin, e a secretária de Educação, Marli Fernandes, além da diretora do Centro de Oficinas da Mulher, Angela Nunes Verenka.

O prefeito de Apucarana salientou que os esforços da Prefeitura em oferecer qualificação profissional, como política pública, são no sentido de que as mulheres possam ser donas do próprio nariz e, desse modo, tenham independência e autonomia em relação a seus cônjuges. “Construir juntos têm um outro sabor. E vocês, que estão aqui hoje, escolheram o caminho do conhecimento”, disse Júnior da Femac. Ele falou ainda que a Prefeitura acabou de investir R$ 150 mil em cursos para que possa oferecer mais opções gratuitas à população.

A secretária Denise Canesin destacou a ligação entre a formação profissional e o mercado de trabalho. “Nós esperamos que nossas alunas possam fazer estágio, o que muitas vezes acontece por exemplo no curso de costura industrial, e de lá possam sair empregadas”, afirmou. Ela agradeceu a todas as instrutoras, alunas e também o apoio da Prefeitura.

Entre as formandas os exemplos do sucesso dos cursos, e da ideia de protagonismo feminino, eram fáceis de ser encontrados. Taís Aline de Souza, de 36 anos, recebeu dois diplomas: de cabeleireira e manicure. Ela já havia trabalhado como auxiliar de serviços gerais, mas não considerava sua função uma profissão. “Gostei muito de fazer os cursos. Hoje em dia é difícil encontrar uma oportunidade dessas, de um curso gratuito. A professora trabalhou muito bem em sala de aula e nós saímos preparadas”, disse. Ela e a prima, Isabela Boava Facine, que também fez o curso de cabeleireira, pretendem abrir, juntas, um salão de beleza.

Kelly Mantovani, dona de casa de 41 anos, que recebia também o diploma de cabeleireira, pretende procurar trabalho na nova profissão. Ela já havia feito os cursos de design de sobrancelha e de depilação no Centro de Oficinas da Mulher, e voltou para ampliar seus conhecimentos na área de estética.  Já Rita de Cássia da Silva, formanda em costura artística, além de obter renda com os produtos que fez e fará com o aprendizado obtido no curso, destacou a socialização como um dos pontos mais importantes de sua vivência no Centro de Oficinas da Mulher. “Fiz muitas amizades e isso nos fortalece muito”, disse. Ela tem intenção de voltar às aulas no segundo semestre para o curso de costura moda.

Compartilhe