Economia Solidária doa fraldas infantis

Lar Sagrada Família recebe primeiro lote de doação do produto, que beneficiará crianças abrigadas (Fotos: PMA)

{"autoplay":"false","autoplay_speed":"3000","speed":"300","arrows":"true","dots":"true"}

 

Nesta segunda-feira (2/12), o empreendimento econômico-solidário Juju Fraldas, da Rede de Mulheres Solidárias, doou 530 fraldas ao Lar Sagrada Família, nas dependências da entidade. O lote é a primeira doação do produto elaborado por uma máquina doada à Prefeitura pelo Moto Clube Asas da Liberdade. O Lar abriga no momento 22 crianças, das quais cinco serão beneficiadas.

O ato da entrega dos pacotes de fraldas teve a presença do prefeito Júnior da Femac, da secretária da Mulher e Assuntos da Família Denise Canesin, da superintendente da secretaria Bete Berton, das empreendedoras Sarita Baldini e Rosana de Castro, integrantes do Moto Clube, do presidente do Lar Maurício Rawski de Paula, do coordenador Valmir Alves de Souza e da assistente social Angélica Folk Andrade.

A máquina de fazer fraldas foi doada pelo Asas da Liberdade à administração municipal, que a repassou à Economia Solidária. Para usá-la, o empreendimento assumiu o compromisso de doar 50% da produção a entidades beneficentes, podendo vender a metade restante. Dessa maneira, as fraldas chegam a quem precisa e geram emprego e renda às empreendedoras.

Surpresa – Na ocasião, o Moto Clube Asas da Liberdade doou R$ 1,5 mil ao empreendimento Juju Fraldas, para que seja possível comprar mais insumos e, assim, fabricar mais fraldas. “Nós estamos fazendo a nossa parte”, disse o vice-presidente Luiz Carlos Lagana “e esperamos que a população faça a parte dela, adquirindo as fraldas do empreendimento. É preciso que a sociedade se sensibilize”, destacou.

O prefeito Júnior da Femac agradeceu a todos os atores envolvidos e disse que o espírito de natal se manifestava verdadeiramente em atos de união e bondade como aquele. “O Lar Sagrada Família faz um trabalho que todos nós temos que abraçar. Eles acolhem crianças que não podem estar onde mais queriam, com a família. Nós procuramos, na Prefeitura, fazer a diferença para as entidades sociais. Juntos, com amor, confiança e união”, salientou.

A secretária Denise Canesin disse que a Prefeitura não media esforços para alavancar a Economia Solidária. “É muito gratificante ver um empreendimento gerar emprego e renda e, por meio deles, a autonomia financeira de nossas mulheres”, frisou. Ela contou também que o Rotary Clube Apucarana Sul adquiriu 300 fraldas para serem doadas ao Lar São Vicente de Paulo. “Atitudes como essa atendem ao mesmo tempo dois projetos sociais: a Economia Solidária e o Lar que abriga idosos. Seria muito bom se a comunidade pudesse repetir a iniciativa.”

A superintendente Bete Berton contou que as empreendedoras começaram o processo, desde a montagem da máquina de fabricar fraldas, com incrível determinação. “Elas abraçaram o novo desafio como oportunidade de aprendizagem. Mas para que a produção de fraldas seja totalmente industrializada ainda temos necessidade de outros maquinários. No momento, metade do trabalho ainda tem que ser feito manualmente.”

O presidente do Lar Sagrada Família, Maurício Rawski de Paula, falou que a doação tinha grande serventia para a entidade. “As fraldas são uma despesa recorrente da instituição. Recebemos muita doação de comida, mas as pessoas raramente pensam em fraldas, então para nós é muito positivo esse ato”, concluiu.

Compartilhe